Voltar

Informativo Diário

29/07/2021

SOJA TEM NOVA SESSÃO VOLÁTIL, PREÇOS OSCILAM DE FORMA MISTA E SOMENTE LOTES PONTUAIS SEGUEM SENDO COMERCIALIZADOS

Na quarta-feira, o mercado interno de soja continuou arrastado nas diversas praças de negociação do país. Em mais uma sessão marcada pela volatilidade, os preços da oleaginosa oscilaram de forma mista e somente lotes pontuais foram comercializados no país. Em Chicago, a commodity iniciou o pregão com ganhos acima dos 11 pontos, mas chegou à parte da tarde praticamente estável, com algumas posições no campo negativo. Já o câmbio recuou firmemente, ampliando as perdas perto do fechamento e contribuindo para a lentidão do mercado.

RS: dia de pouca movimentação e preços firmes no estado. Na região portuária do estado, para embarque e pagamento em meados de setembro/21, indicações de compra entre R$ 171 e R$ 171,50 por saca CIF, enquanto no spot a indicação fica em R$ 170. No interior do estado, indicações entre R$ 163 e R$ 164 por saca FOB para embarque e pagamento curtos.

PR: cotações nominais em um mercado pouco ofertado. Para embarque imediato e pagamento em meados de setembro deste ano, indicações de compra entre R$ 170,50 e R$ 171 por saca CIF na região portuária. Na região oeste, indicações de compra na faixa de R$ 163,50 por saca para embarque imediato e pagamento em meados de agosto deste ano, porém sem contrapartida de venda.


CHICAGO(CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão, em queda no farelo e em alta no óleo na quarta-feira. Nas posições spot, ganhos de 0,96% no grão e de 0,43% no óleo, e perdas de 0,75% no farelo. No melhor momento do dia, o contrato agosto/21 do grão atingiu a máxima de US$ 14,3575 por bushel. Ao final da sessão, trocou de mãos a US$ 14,32 por bushel. Por volta das 13h (Brasília), a soja operava com perdas de até 3,5 pontos nos principais vencimentos. O vencimento setembro/21 operava com ganho de 0,50 ponto, com negócios a US$ 13,6750 por bushel.

• Compras de barganha e preocupações com o clima voltaram a sustentar as cotações, ainda que a alta siga limitada pela ausência de demanda pelo produto americano.

• Parte do mercado acredita que a melhora do clima possa ocorrer tarde demais, sem condições de reverter as perdas esperadas na produtividade, principalmente nas regiões com maior estresse hídrico. Os boletins indicam chuvas e temperaturas mais amenas para agosto.

• Os entraves nas negociações comerciais entre China e Estados Unidos voltaram a ser motivo de preocupação. Os compradores do país asiático se retraíram e já consideram a soja brasileira mais competitiva. Amanhã, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos vai divulgar as vendas líquidas americanas na semana e o mercado espera número entre 100 mil e 500 mil toneladas.


CHINA O governo da China está planejando introduzir novas leis em Hong Kong e Macau que podem impedir entidades estrangeiras e indivíduos nas cidades de cumprir sanções contra a China, de acordo com pessoas familiarizadas com as discussões. As informações são da agência de notícias "Dow Jones". Espera-se que as novas leis reflitam a própria "lei de sanções antiestrangeiras" da China, que Pequim correu em junho em resposta às sanções impostas ao país pelos Estados Unidos e Europa, disseram as fontes.


CÂMBIO O dólar comercial fechou a sessão com queda de 1,25%, sendo negociado a R$ 5,1100 para venda. Além da expectativa para a reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), o mercado estava ansioso com o aumento da Selic (taxa básica de juros). Diferente de outras moedas emergentes, a brasileira terminou o dia fortalecida.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2021 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax